Como evitar sentimentos ruins?

Quando pensamos em coisa que nos afastam dos nossos objetivos, logo vem à mente os sentimentos ruins. Esses sentimentos são capazes de acabar com a motivação, o animo, e ainda pode levar a depressão. Nesse artigo vamos te ensinar como evitar os sentimentos ruins.

Sentimentos de incapacidade, inveja, ciúmes em excesso, entre muito outros sentimentos ruins podem nos levar a incapacidade de sentir a plena felicidade. Esses sentimentos aprisionam a pessoa de tal forma que ela não consegue sentir a intensidade do amor a sua volta.Ademais, ficar sempre com “a pulga atrás da orelha” não te permite se entregar aos sentimentos bons, ou sentir sua intensidade. Esses sentimentos negativos devem ser tratados de imediato, evitando assim mais sofrimento para quem o sente.

Origem dos sentimentos ruins

É impossível determinar ao certo o que ocasiona esse tipo de sentimento.  Contudo, ele está muito relacionado como a forma que a pessoa enxerga o mundo a sua volta. Dito isso, as construções e a forma como vemos o mundo e as pessoas a nossa volta se inicia na infância.

Aliás, durante o nosso crescimento esses sentimentos foram incentivados e estimulados, consciente ou inconscientemente.  Pessoas que na infância receberam lições de amor, carinho, bondade, afeto tiveram condições melhores de desenvolver sentimentos bons. Mas, como já dissemos isso não é algo possível de determinar baseado apenas na infância. Porém, não podemos negar que uma criança que teve contato com muitos sentimentos bons e positivos tenha mais chances de reproduzir os mesmo no futuro, do que aquela que nunca os teve.

Como lidamos com os sentimentos

O sofrimento a nos imposto pelos sentimentos, está diretamente relacionado a maneira como o enxergamos e como lidamos com isso. Os sentimentos ruins nos trazem sensações dolorosas e nos sentimos injustiçados muitas vezes.

Contudo, uma jornada de autoconhecimento pode evitar esse mal de se prolongar. Ao buscarmos dentro de nós o que nos leva a esse tipo de comportamento toxico e vicioso, poderemos entender as causas e assim trata-las.

É improvável que alguém que tenha sentimentos de insignificância consiga se tratar sem descobrir o porquê ela se sente assim, ou quando isso começou. A forma como lidamos com esses sentimentos irão nos ajudar a alcançar a libertação de nos mesmos desse tipo de ideia, desse tipo de sentimento.

Com agir diante de sentimentos ruins

Há duas maneiras de agir perante os problemas, que é os alimentando ou os tratando. Da mesma forma são os pensamentos. Podemos tanto incentivar os pensamentos ruins, como também podemos evita-los e entende-los.

Alimentar os sentimentos ruins é quando os reforçamos por meio de ações, gestos e sentimentos. Por exemplo, quando agimos por vingança, para fazer alguém que nos fez sofrer sentir da mesma maneira que nos sentimos.

Esses pensamentos e ações nos dão uma sensação momentânea de prazer, mas isso nunca nos trará a paz. Quando cultivamos esse tipo de comportamento, criamos dentro de nós abismos internos.

Aliás, esses abismos são cada vez mais difíceis de serem fechados. Já quando buscamos tratamento, precisamos reconhecer que temos dificuldade nessa área. Depois, reconhecer o que devemos fazer para remedia-los, que gestos e ações devemos tomar.

Ademais, devemos nos conectar com o nosso eu interior, e buscarmos desenvolver a nossa inteligência emocional. Aprender a lidar com frustrações e sentimentos ruins buscando alcançar um crescimento intimo.

Conclusão – Evitar sentimentos ruins

Nesse artigo pudemos entender um pouco mais sobre como identificar nossos sentimentos. Aliás, a maneira como lidamos com os sentimentos ruins influenciam e muito no processo de autoconhecimento e auto aceitação.

Ademais, há duas maneiras de agir perante os pensamentos ruins, uma delas é alimenta-lo, distribuindo ofensas e dor aos outros. E a outra maneira que é muito mais saudável e te trará paz interior e tratar o problema, desenvolvendo a sua inteligência emocional.  

Você aprendeu algo novo com este artigo? Compartilhe com seus amigos para que eles também se beneficiem desta informação!



    Deixe seu comentário

    Seu e-mail não será publicado.*